O Nome dela é Jennyfher – Por Alfredo Guimarães Garcia

— Cara ela é incrível!
— Mesmo? Puxa você parece entusiasmado com esse novo relacionamento…
— Dá para perceber é?
— Sim! A última vez que você usou a palavra “incrível” foi em 2014. Por sete exatas vezes. Foi quando a Alemanha atropelou o Brasil por 7 a 1…
— Nem me lembra isso…
— De lá pra cá você sempre usa “interessante” seja para um livro do Paulo Coelho, de autoajuda ou para um desses programas de gastronomia que pululam na TV.
— Bom, vamos lá. Eu já disse que ela é incrível, né? Pois é. Tem uns papos diferentes dessas meninas da cidade… O nome dela é Jennyfher. Escreve assim: J-E-N-N-Y-F-H-E-R.
— Os pais dela deviam amar as consoantes, não ?
— Então tá! Bom, eu a conheci…
— Já sei! Foi no Tinder né?
— Uau! Que interessante! Você é bom nisso.
— Eu ouço rádio, meu caro Watson.
— Ei, meu nome e Sandercleysson, lembra?
— Tinha esquecido, Cley. Fico pensando se você e Jennyfher se casarem e tiverem o primeiro filho. Vocês não vão querer misturar os nomes para batizar a criança, né?
— Não. Ela gosta de nomes simples, bíblicos. Tipo Nabucodonosor.
— Pobre criança…
— O que foi?
— Nada. Pensei alto.
— Só tem um papo dela que me intriga. Um lance de cores.
— Já sei menino usa azul, menina usa rosa.
— Cara, que interessante! Você é incrível!
— Menos, menos. E que coisas incríveis mais essa Jennyfher do Tinder diz?
— Ela não é do Tinder. Mora no Camboatá.
— Hum… Do que ela fala mesmo?
— Cara, um lance aí de que a Terra não gira em torno do sol, que não é redonda coisa nenhuma. Umas paradas tipo ficção da Matrix. Ela é incrível.
— Tô vendo. E os pais dela?
— Seu Olavo e Dona Da…
— mares? Jesus, Maria, José!
— Pô! Agora tu errou. Dona Damiana. Gente boa.
— Ainda bem. E vocês já se conheceram pessoalmente?
— Aí é que tá uma parada sinistra, velho. A gata diz que tem um mega mistério na vida dela, que isso pode comprometer nosso relacionamento…
— Te sai, Cley, te sai dessa.
— Por quê, mano? Para com essas neura, tá ligado?
— Nada disso, ô desligadão do Uraim. É que eu dei uma stalkeada na figura durante nosso papo, e vi que Jhennyfher é na verdade Maiquel Jéquison, tá sabendo?
— Pô, mano, olha lá eu desiludido. Na sofrência… Mas, olha o nome é da hora, hem?
— SANDERCLEYSSON!
— Saquei, mano. Tô ligado. Nada de Tinder. Qual o outro que você acessa mesmo?

Sobre o autor:

Alfredo Guimarães Garcia é escritor com mais de 40 livros publicados, entre contos, crônicas, poesia e infanto-juvenil. É bacharel em Comunicação Social, especialista em Teoria Literária e Mestre em Estudos Literários pela Universidade Federal do Pará. Atua como professor do ensino superior no curso de Comunicação Social/Jornalismo da Estácio FAP, em Belém do Pará, desde 2010.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here