O Paysandu ainda tem cinco jogos na Série B do Brasileiro para selar a sua sorte em 2019. Evitar um rebaixamento que a cada rodada vai se tornando iminente pela série sem vitórias – sete partidas seguidas – significaria manter, por alto, R$ 15 milhões nos cofres com cotas e patrocínios. Cair à Terceirona seria uma tragédia na gestão bicolor, como evidenciou o ex-presidente Alberto Maia. Independente disso, o futuro mandatário do Lobo Ricardo Gluck Paul, candidato único na eleição do dia 28 de novembro, já começou a planejamento para o ano que vem.

Segundo apurou a reportagem, o Paysandu iniciou as conversas pela permanência do técnico João Brigatti. A princípio, o treinador ficaria na Curuzu independente de rebaixamento ou não. Internamente no clube se entende que, mesmo com a série negativa de resultados, o time vem tendo um bom desempenho tático desde a chegada do comandante. Junto com ele ficaria o auxiliar Alex Nassif.

O GloboEsporte.com entrou em contato com Ricardo Gluck Paul para confirmar a informação. O atual vice-presidente de gestão do Papão se limitou a dizer que lidera uma equipe com o objetivo de planejar o Parazão da próxima temporada e que analisa várias possibilidades. Ainda de acordo com Gluck Paul, qualquer anúncio só acontecerá depois de 24 de novembro, data da última partida Alviceleste na competição nacional.

Ao programa GE na Rede, Ricardo Gluck Paul contou que entende que houve erros no futebol do Paysandu ao longo dos últimos seis anos e que pretende profissionalizar o setor. O foco anterior foi na reforma administrativa do clube. O planejamento da nova diretoria bicolor inclui a contratação de um executivo e um diretor de futebol, que não seria mais estatutário ou “abnegado”.

Por Gustavo Pêna — Belém

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here