Portugal é a exceção em um declínio causado pela austeridade e o populismo

1506965502 021757 1506966063 noticia normal - Social-democracia perde terreno em toda a Europa
Martin Schulz, candidato social-democrata às últimas eleições alemãs. MICHELE TANTUSSI AFP

A social-democracia se desvanece em toda a Europa. As políticas de austeridade que aplicaram – também – os Governos socialistas e a irrupção de opções populistas no mapa político afastaram o eleitor da esquerda moderada. Somente Portugal parece escapar dessa maldição, que em poucos anos derrubou os socialistas do poder nos principais países da UE. Para se recuperar, esses partidos da esquerda tentam um difícil equilíbrio que os permita abandonar a terra de ninguém em que vivem. Consiste em se distanciar das políticas conservadoras sem cair na retórica antissistema.

A tradicional cor vermelha da social-democracia tingia a até pouco tempo boa parte do núcleo duro europeu. França, Alemanha, Bélgica e Holanda tinham forças progressistas em seus Executivos (sozinhas ou em coalizão). Depois do furacão da Grande Recessão e da crise migratória, entre os grandes países resta apenas a Itália. Mas as perspectivas futuras deste Executivo foram muito afetadas depois do referendo que o ex-primeiro-ministro Matteo Renzi perdeu em 2016. E o Movimento 5 Estrelas, antieuro e populista, ganha em intenções de voto, embora seus resultados tenham decepcionado nas últimas eleições municipais.

Um pouco mais longe desse grupo de países fundadores resiste a Áustria, embora as previsões indiquem que os sociais-democratas, muito prejudicados pela crise dos refugiados, podem perder o poder nas eleições de 15 de outubro. Também se mantêm – com flutuações – a Suécia e dois Executivos, pelos quais os socialistas europeus evitam manifestar orgulho. Trata-se da República Checa, onde governam em coalizão, e da Eslováquia. Estes dois países contestaram duramente uma política defendida pela esquerda: a acolhida de refugiados na União Europeia.

Debates como a migração ou a globalização enfraqueceram os sociais-democratas diante do seu eleitorado tradicional. “A globalização foi apresentada como um debate entre abertura e fechamento. Os liberais têm isso claro: é preciso se abrir para o mundo e os populistas também, no lado contrário. Mas os sociais-democratas se mostraram brandos ou ambíguos”, argumenta Ania Skrzypek, pesquisadora da Foundation for European Progressive Studies, uma casa de análise progressista. A especialista acredita que o caso de Portugal pode servir de exemplo porque o Governo “implementou políticas progressistas sem a inclinação de ser radical”.

Outra figura que desponta no deserto da social-democracia é Jeremy Corbyn, no Reino Unido. Com sua liderança, o Partido Trabalhista ficou a pouca distância dos Conservadores nas últimas eleições gerais. Mesmo assim, influi muito nesse crescimento o caos da saída do Reino Unido da UE, um capítulo com vida própria na política europeia e difícil de transferir a outros debates nacionais.

(El País)

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here