clima 300x230 - Curtíssimas do Jorge Quadros, desta quarta-feira (03)

ENCHEU

Famílias que moram às proximidades do Rio Uraim ficaram preocupadas com a cheia do Rio Uraim. Sem chuva na cidade e as águas subindo. Pensou-se logo que algum açude ou barragem tivesse estourado. Mas não foi isso que aconteceu. Um empresário, que foi citado em redes sociais, se apressou logo em dizer que na fazenda dele não havia sido.

VEREADORES

Um grupo de vereadores, conforme foto divulgada, preocupados com a situação foram até a fazenda Mimosa e em seguida disseram, com a habilidade técnica que lhes é peculiar, que ali estava tudo certo e que não havia perigo algum.

MAS…

Ruas e casas dos bairros próximos ao rio inundaram. A Prefeitura também emitiu nota de que estava atenta aos acontecimentos e alertava para que ‘qualquer coisa’ as famílias logo entrassem em contato com os órgãos competentes.

ALERTA

Enfim, todos estão em alerta máximo para que, se acontecer alguma coisa, busquem socorro e lugares mais altos da cidade. O problema é que outros municípios passam a mesma situação devido a grande quantidade de chuva, que cai na região. A estrada da Caip virou um grande rio e outras comunidades estão quase isoladas pelos estragos que as chuvas fizeram. Haja trabalho para a administração pública. O problema é que na zona rural as chuvas não estão dando trégua.

VENDA

Com a situação vivida pelos moradores dos bairros Uraim II, Sidilândia II e adjacentes, muitas casas foram colocadas à venda. Grande parte das famílias não quer mais morar ali. O problema é achar compradores. Os preços são convidativos, mas a situação de enchentes todos os anos afasta os pretendentes.

MORADIA

As famílias que foram vítimas da enchente do ano passado e que foram devidamente cadastradas no aluguel social, pelo visto ainda vão ficar muito tempo morando desta forma. É que, apesar do empenho do prefeito Paulo Tocantins, o Governo Federal ainda não respondeu o plano de trabalho e relatório de diagnóstico para execução de obras de reconstrução e recuperação dos danos causados pelo desastre ocorrido em 12 de abril de 2018.

PROBLEMA

O prefeito assinou documento com todas as indicações dos prejuízos causados às famílias pela enchente que desabrigou as famílias, em junho do ano passado, de acordo com o Formulário de Informações do Desastre, solicitando o valor de R$ 7.800.000,00 para que as 120 casas sejam reconstruídas e as famílias terem a dignidade de voltar a morar em suas próprias residências.

ENTÃO…

A situação destas famílias e da própria municipalidade é preocupante porque de lá para cá, houve eleição, troca de governo, troca de gerenciamento destes órgãos, as coisas estão andando a passos lentos e quando será que esse problema se resolverá? É uma incógnita! Cópia do documento da solicitação destes recursos foi disponibilizada pela prefeitura para que todos tomassem conhecimento.

ESCLARECEU

O Superintendente da Sanepar, Herenildo Maciel, que é engenheiro e acompanha de perto a situação esclareceu que: “A prefeitura mobilizou todo mundo pra descobrir as causas dessa nova cheia. O volume tem crescido gradualmente, o que aponta para um escoamento superficial em função das chuvas. Começou a subir ontem no fim da tarde. em média 1.9cm h . Se fosse uma barragem, toda essa água chegaria numa enxurrada. causando grandes estragos como uma onda. em fim, os afluentes estão desaguando no uraim”. Eu concordo.

BAIXOU

Segundo a Defesa Civil, na manhã desta quarta-feira (03) o nível do Rio Uraim já baixou cerca de 5cm durante a madrugada. A expectativa é que continue baixando nas próximas horas o que serve de alento para todos os paragominenses que estão preocupados com a situação.

CLIMA

A informação sobre o clima, conforme imagem acima, é de que existe a probabilidade de 44% de cair chuva hoje na cidade. Enquanto o verão não chegar de vez, todos os municípios desta região estão propensos à estas situações de emergência por causa das chuvas nas cabeceiras dos seus rios.

FAKE

Lamentável mesmo é a ‘cambada’ de desocupados e irresponsáveis que ficam alarmando as famílias que já estão com os nervos à flor da pele, sobre vazamento, estouro e rompimentos de barragens e outros assuntos falsos. Deveriam ser identificados e presos.

INFORMAÇÃO 

A Polícia Rodoviária Federal informou ontem que a causa do rompimento da pista da BR 010 à altura do km 236, foi a forte chuva que caiu na cabeceira do Rio Carandiru. Um desvio de 45 está sendo feito. No entanto, a única alternativa para quem está entrando no Pará, pelo Maranhão, é pela BR 222, indo por Marabá, com entrada no município de Dom Eliseu.

DESVIOS

Segundo os motoristas, outros ramais poderiam fazer esse desvio mas por conta da chuva estão intrafegáveis. Algumas pessoas estão usando uma canoa para fazer a travessia no local (DOL).

ALTERNATIVA

Quem está em Imperatriz no Maranhão e precisa chegar à capital do Pará, tem a alternativa de viajar pela conhecida ‘Estrada do Arroz”, mas que está em precárias condições de trafegabilidade, com pontes prestes a desabar ou também de entrar na MA 125, pelos municípios de Cidelândia, Vila Nova dos Martírios, São Pedro da Água Branca até a BR 222, próximo à Rondon do Pará.

CELPA

A força-tarefa que investiga reclamações e processos judiciais contra a empresa Celpa e a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) divulgou nesta terça-feira (2) que entrou com três ações civis públicas na Justiça pedindo R$ 20 milhões em indenização por danos sociais. De acordo com o grupo, a Celpa tem realizado uma série de abusos e irregularidades relacionadas ao fornecimento de energia no estado, como cobranças excessivas, cortes irregulares de energia, falta de transparência nas contas e enriquecimento ilícito (G1 PA).

GATOS

Durante os quatro meses de investigação, a força-tarefa descobriu que a Celpa, desde 2015, recebe da Aneel um valor pelas perdas não-técnicas, os chamados gatos. Segundo a investigação, essas perdas eram estimadas pela própria empresa e depois distribuídas pelas tarifas de todos os consumidores (G1 PA).

..

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here