Familiares de PMs interditam 6º batalhão da PM em Ananindeua e secam pneus de viaturas 300x169 - Familiares de PMs interditam 6º batalhão da PM em Ananindeua e secam pneus de viaturas
Membros da Associação de Esposas e Familiares de Praças do Pará estão reunidos em frente ao 6º Batalhão da PM (Foto: Divulgação/AEFPPA)

A Associação de Esposas e Familiares de Praças do Pará (AEFPPA) está reunida na noite de hoje (29) em frente ao 6º Batalhão de Polícia Militar localizado em Ananindeua, exigindo o aquartelamento dos militares da referida unidade. Pneus das viaturas do Batalhão foram esvaziados.

Segundo informações de uma das diretoras da associação, Mari Feitosa, a medida extrema partiu após a execução da cabo Maria Fátima Cardoso dos Santos, de 49 anos, que teve a casa invadida na tarde deste domingo no bairro do Curuçambá, em Ananindeua.

“A morte da cabo foi o nosso estopim e todos os militares do batalhão estão apoiando a nossa causa. Primeiro chegamos apenas com os integrantes da nossa associação, mas horas depois outros moradores da área apareceram para dar voz às nossas exigências”, diz Mari em entrevista ao DOL.

msg reprwhatpp 29 04 2018 22 10 25 300x139 - Familiares de PMs interditam 6º batalhão da PM em Ananindeua e secam pneus de viaturas(Foto: Reprodução/Whatsapp)

Nas redes sociais, foram compartilhadas mensagens afirmando que o 6º BPM teria parado e que estariam pedindo que apoiassem a causa das esposas que lá estavam reunidas. Desde o aviso do pedido de aquartelamento, Mari disse que militares superiores pediram que elas não dessem prosseguimento ao manifesto porque poderia prejudicar a corporação.

“Os superiores chegaram com a gente [associação] e pediram que nós não fizéssemos o manifesto aqui em frente e nem fechasse as saídas para as viaturas porque poderíamos prejudicá-los. Mas não estamos prejudicando ninguém aqui, ao contrário, estamos aqui para apoiá-los; defender todo o 6º BPM, já que eles não podem grevar, pelo menos podemos dar o pontapé inicial para aquartelarem”.

As integrantes da AEFPPA, bem como moradores que compartilham da mesma causa que lá estão reunidos, pretendem permanecer no local firmes e fortes até a manhã desta segunda-feira (30), quando será considerada a possibilidade de todo o 6º batalhão aquartelar após a troca de turnos.

É válido lembrar também que, desde o início do mês de abril, divulgamos duas vezes a chance de um aquartelamento da categoria: a primeira no dia 11, após mensagens compartilhadas, supostamente, por entidades ligadas à policiais militares; e a segunda no dia 23 – após o atentado aos policiais militares no bairro do Sideral – anunciado pela Associação em Defesa dos Militares do Pará (Admipa), que pedia um protesto em forma de aquartelamento (quando todos os militares ficam no quartel, sem sair às ruas).

(DOL)

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here