4d1a2608 39a5 4d06 b4a4 d6ead522ce73 300x225 - Governo do Estado e LDC assinam protocolo para investimentos no Pará

A Secretaria de Estado de Desenvolvimento Econômico, Mineração e Energia do Governo do Pará (Sedeme) e a Louis Dreyfus Company (LDC), assinaram nesta segunda-feira, 28, um Protocolo de Intenções que estabelece parceria institucional entre as partes para a implantação dos projetos de médio e longo prazos da companhia no Estado, sendo uma estação de transbordo de carga (ETC) na região de Santarenzinho, no município de Rurópolis e um terminal de uso privativo (TUP) na Enseada do Malato, em Ponta de Pedras, no Marajó.

O documento prevê ainda apresentação de uma proposta de indústria de verticalização da cadeia de soja, a ser apresentada em 180 dias, a partir da emissão da licença prévia da ETC, cuja construção e operação deverá ocorrer em até 30 meses a partir da emissão das respectivas licenças. Os citados projetos hidroviários são uma opção sustentável, com ganhos em termos econômicos, ambientais e sociais para o Estado. Os projetos de Santarenzinho e Ponta de Pedras seguirão seu curso normal de licenciamento ambiental.

b717870b 090c 4f43 a679 bb70ef64c0f0 300x225 - Governo do Estado e LDC assinam protocolo para investimentos no Pará

O Protocolo assinado firma, também, o compromisso de movimentação anual de 1 milhão de toneladas de carga da LDC na Ferrovia Paraense, quando o projeto ferroviário estiver concluído e operante pelo Governo do Estado.

O uso da Ferrovia Paraense se reveste de importância ímpar para o Governo do Estado. “Esse é um marco para a infraestrutura estadual, para o transporte de suas riquezas com sustentabilidade”, referindo-se ao empreendimento que fará tanto o transporte de passageiros como também de cargas, de pequenos, médios e grandes produtores.

“Com a implantação da Ferrovia Paraense, poderemos transportar parte de nossa carga pelo modal até Marabá e transbordar para a hidrovia Tocantins-Araguaia, com destino ao nosso futuro TUP no Marajó”, observou George Takahashi, diretor de projetos logísticos da LDC.

O titular da Sedeme ressaltou a acolhida da Louis Dreyfus Company. “A LDC foi receptiva ao pleito do Executivo estadual de não somente transportar soja pelo território paraense, mas também de implantar uma indústria de verticalização da cadeia da soja, aqui no Estado, gerando bons empregos e desenvolvimento econômico’’, frisou Demachki.

A empresa conta com a parceria do Governo do Pará para apoio a soluções de infraestrutura e serviços públicos necessários para a viabilização dos empreendimentos. O relacionamento construtivo com as comunidades locais também é fundamental para o desenvolvimento dos projetos, afirmou Takahashi.

Desde a divulgação dos projetos da companhia no Pará, um primeiro passo já foi dado, quando foi contratada, do Estaleiro Rio Maguari, a construção das barcaças que farão o transporte de cargas. Essas embarcações estão em construção e já geram cerca de 2 mil postos de trabalho no Pará.

Além disso, serão gerados empregos diretos e indiretos durante as fases de implantação e operação dos terminais da LDC, que priorizará a contratação de mão de obra local.

O objetivo da companhia é contribuir positivamente para o desenvolvimento sustentável da região, tanto na esfera estadual quanto na municipal, criando uma relação harmoniosa e respeitosa com a sociedade e em parceria com o poder público, uma vez que seus projetos no Estado são de longo prazo.

A assinatura do documento foi prestigiada por dirigentes da Federação das Indústrias do Pará (Fiepa), José Maria Mendonça; do Sistema Fecomércio Pará, Sebastião Campos; e ainda pelos presidentes da Associação Comercial do Pará, Fábio Lúcio Costa; e da Associação das Empresas Portuárias, Paulo Ivan de Farias Calpos. Na foto, Fábio Lúcio e Paulo Ivan, assinam o documento como testemunhas, observados por Sebastião Campos.

“A base do Pará 2030 é a verticalização da nossa produção. Queremos parceiros para isso, então, nós, da Fiepa, felicitamos à LDC e nos colocamos à disposição da empresa, já disponibilizando o Serviço Social do Transporte (Sest) e o Serviço Nacional de Aprendizagem do Transporte (Senat) para ajudar na qualificação da mão-de-obra local, para que ela acesse os novos postos de trabalho”, afirmou José Maria Mendonça, da Fiepa.

Para Fábio Lúcio, da ACP, o compromisso firmado entre o Governo do Pará e a empresa, de origem francesa, vem ao encontro do que almeja o setor produtivo paraense. “A gente tem trabalhado para ter uma economia forte, e quando a gente vê uma empresa de fora decidida a investir em nosso território, e mais ainda, com a posição firme de que vai priorizar o trabalhador paraense, fico feliz”, afirmou.

O presidente da Associação das Empresas Portuárias, Paulo Ivan, também elogiou a postura do Estado e do grupo empresarial. “Eu, como paraense, me orgulho de ver movimentos redirecionados da economia paraense, com o Estado e a livre iniciativa se dando as mãos para que o Pará se consolide como um Estado próspero e rico para nossos filhos e netos”, opinou.

“É uma honra presenciar a assinatura deste documento, um sinal que cada vez mais as empresas acreditam nas potencialidades do Pará. O agronegócio é um grande gerador de empregos, eu como representante do setor terciário paraense me alegro de ver iniciativas como essa, porque com a economia aquecida, o setor comércio só tem a ganhar, então, nós damos boas-vindas à Louis Dreyfus Company.

Texto e Fotos: Ascom/Sedeme.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui