c55077191589008e52b5c38784e781a79442cad5 - O flagelo dos ataques raciais a fazendeiros na África do SulAFP / MUJAHID SAFODIENHomem participa de treinamento com arma de fogo e de defesa pessoal para fazendeiros da África do Sul, em Centurion, em 18 de outubro de 2017

“Bateram nele com um grande tronco […]. Eu ouvia os ossos dele quebrando”. Debbie Turner conta no lar de idosos onde vive a lenta agonia de seu marido, que foi espancado por agressores negros até a morte em sua fazenda da África do Sul.

Robert “Oki” Turner, um fazendeiro branco de 66 anos, passou a engrossar há seis meses a longa lista de vítimas de um dos legados envenenados do apartheid, os “assassinatos de agricultores”.

Um quarto de século depois do fim do regime segregacionista, o país vive uma situação de violência, fracassos econômicos e divisões raciais.

“Até quatro ou cinco anos atrás vivíamos felizes” em uma fazenda nas montanhas de Limpopo (nordeste), recorda Debbie.

Mas a violência extrema das grandes cidades se estendeu às províncias, com assaltos, tomadas de reféns e execuções, às vezes em troca de resgates ridículos, como uma caçadeira ou um aparelho de telefone.

No último 14 de junho, foi a vez dos Turner. Em plena noite, homens armados irromperam em sua fazenda.

– ‘Não me estuprem’ –

“Arrastaram-me para dentro da casa, colocaram-me debaixo do chuveiro e queriam me estuprar”, conta a sexagenária. “Eu disse a eles: ‘Tenham piedade, não me estuprem, tenho aids'”.

Os assaltantes arrastaram depois “Oki” para o lado dela e lhe deram uma surra, antes de roubar milhares de randes do cofre.

Robert Turner morreu pouco depois, no hospital.

A cada ano, dezenas de agricultores brancos morrem na África do Sul de forma violenta, embora não existam estatísticas detalhadas sobre estes crimes.

A ONG AfriForum, porta-voz da minoria branca (9% da população), fez deste um de seus principais combates.

“A África do Sul é um país muito violento”, reconhece o vice-presidente da organização, Ernst Roets. “Mas estes ataques também têm uma causa política. Alguns dirigentes predicam o ódio contra os fazendeiros brancos e os acusam de todos os males”.

99f0ab1aeddcaa0368b041a7cf87d3f4542f0634 - O flagelo dos ataques raciais a fazendeiros na África do SulAFP / MUJAHID SAFODIENFazendeiros sul-africanos treinam o uso de arma de fogo e técnicas de defesa pessoal, em Centurion, em 18 de outubro de 2017

Em sua mira está Julius Malema, chefe da esquerda radical que exorta a “tomar a terra” dos brancos, e o presidente, Jacob Zuma, que em 2010 entoou o cântico revolucionário “atirem no fazendeiro, atirem no boer (descendente de colono holandês)”.

A agricultura sul-africana continua controlada, em grande parte, pelos descendentes dos colonos. Os agricultores brancos possuem 73% das terras, segundo um estudo recente.

– Mesma condenação –

Em um contexto de desemprego maciço, florescem os chamados à “transformação radical da economia” em benefício dos negros.

“Os negros acreditam que roubamos o país deles”, aponta o agricultor Gerhardus Harmse. “Mas fomos nós que o construímos”.

Esta posição extremista é muito ativa. No final de outubro, seus partidários provocaram um escândalo ao mostrar a antiga bandeira da África do Sul em manifestações nas que os fazendeiros brancos pediam ao governo medidas concretas de proteção.

O ministro da Polícia, Fikile Mbalula, negou-lhes qualquer tratamento privilegiado em um país onde a cada dia morrem 52 pessoas devido à violência, em sua maioria negros.

“O assassinato de qualquer sul-africano deve ser condenado da mesma forma”, afirmou.

Os agricultores negros também sofrem com a insegurança, mas resistem a se unir ao combate de seus colegas brancos. “Não aceitamos que alguns utilizem seu status de agricultores para difundir um discurso de extrema-direita”, explica Vuyo Mahlati, presidente da Associação de Agricultores Africanos (Afasa).

4667488b3c3e5d0456be8311a87407df344a9e85 - O flagelo dos ataques raciais a fazendeiros na África do SulAFP / MUJAHID SAFODIENFazendeiros sul-africanos treinam o uso de arma de fogo e técnicas de defesa pessoal, em Centurion, em 18 de outubro de 2017

Ao se considerarem abandonados pelo governo, muitos agricultores brancos garantem sua segurança com seus próprios meios, às vezes patrulhando durante a noite, armados com pistolas.

“É preciso se proteger. […] Queremos estar tranquilos”, justifica Marli Swanepoel, de 37 anos, dono de uma fazenda isolada em Limpopo.

Outros se recusam a ceder perante o medo, como Hans Bergmann, assaltado uma manhã por homens armados que atiraram em seu pé e esvaziaram seu cofre.

“Vieram pelo dinheiro. […] Todo mundo acha que os agricultores são ricos”, diz este sexagenário. Mas “não vou começar a me trancar. A vida é assim”.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui