Apreensões ocorreram na manhã desta segunda-feira (9). Ricardo Ribeiro Peixoto foi alvo de prisão preventiva.

lancha1 - Operação prende empresário na Bahia e apreende lancha e cinco toneladas de suplementos alimentares clandestinos

Lancha foi apreendida durante operação em Feira de Santana, na Bahia (Foto: Divulgação / PF)

Preso no município de Feira de Santana, a cerca de 100 quilômetros de Salvador, o empresário Ricardo Ribeiro Peixoto teve três imóveis bloqueados, além de três veículos e uma lancha apreendidos durante a Operação Hedonikos, que foi deflagrada pela Polícia Federal na manhã desta segunda-feira (9).

Alvo de prisão preventiva, Ricardo Peixoto é investigado por susposta atuação na fabricação clandestina de suplementos alimentares que eram distribuídos para toda a região nordeste, por meio da XPand Nutrition. O G1 não conseguiu contato com a empresa.

Mais de cinco toneladas de suplementos foram apreendidas durante a operação. Além da prisão do empresário, a PF diz que também cumpriu outros três mandados de conduções coercitivas. Os nomes dos alvos não foram divulgados.

Empresário que atuava na venda clandestina de suplementos é alvo da Polícia Federal

Operação

A Polícia Federal, com o apoio da Vigilância Sanitária e Ambiental do Estado (Divisa), deflagrou, na manhã desta segunda-feira, a Operação Hedonikos.

Segundo a PF, o empresário Ricardo Ribeiro Peixoto atuava na fabricação clandestina de suplementos alimentares que eram distribuídos para toda a região nordeste.

A investigação da polícia começou há cerca de três meses com o objetivo inicial de apurar fraudes cometidas por esse empresário contra a Caixa Econômica Federal, mediante a abertura de contas bancárias e obtenção de empréstimos fraudulentos com a utilização de documentos falsos. O débito só com a Caixa Econômica Federal ultrapassa R$ 6, 5 milhões.

A investigação constatou que o empresário obteve a alteração do nome em virtude de decisão judicial de reconhecimento de paternidade, e passou a utilizar o nome antigo para cometer diversas fraudes. As fraudes estão desde a abertura de contas bancárias em instituições financeiras à constituição de empresas, tudo com o nome, CPF e RG já inativos, tendo como consequência a inadimplência perante os bancos e não pagamento de tributos das empresas.

Durante as investigações, descobriu-se também que diversas empresas do investigado com a utilização de “laranjas” atuavam na fabricação e comercialização clandestina de suplementos alimentares. Esses suplementos eram produzidos sem qualquer autorização dos órgãos de vigilância sanitária competentes e distribuídos através da rede de lojas em Feira de Santana e Salvador, além das demais lojas do ramo em todo o nordeste brasileiro.

A partir desses negócios ilícitos, segundo a PF, o empresário conseguiu constituir um patrimônio significativo, com a aquisição de imóveis, veículos de alto padrão e até mesmo uma lancha, que não eram declarados às autoridades fazendárias por estarem registrados no antigo nome ou em nome de terceiros.

Os investigados, que não tiveram nomes divulgados, irão responder pelos crimes de estelionato, fabricação clandestina de produtos equiparados a medicamentos, sonegação fiscal, lavagem de dinheiro, falsidade ideológica e associação criminosa.

(G1)

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here